Google+ Badge

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Geração Prozac

         Olá pessoal aqui é o Felipe ( Fifi ). Espero que estejam bem! O que acham de continuarmos nossa incrível viagem? Com o fim da greve (Graças a Deus), nada melhor do que retomar as atividades da semanais, após um longo período de pausa em minhas atividades no blog. Volto para as senhoras e senhores a fim de continuar nossa fantástica epopeia pelo mundo das drogas.
Nessa semana começo a mudar os rumos os rumos desse viagem, passando ao mundo das drogas licitas.Passo agora na postagem a falar sobre a bio química das drogas conhecidas como antidepressivos. Uma ótima leitura a todos espero que gostem.
        Os antidepressivos são um conjunto de substâncias químicas ,timoanalépticos, que agem sobre o humor e que se destinam a tratar as manifestações somáticas e neurofisiológicas presentes nos estados depressivos. 
São 3 as principais áreas de atuação dos antidepressivos no cérebro, eles atuam no sistema límbico, no hipocampo e no núcleo da rafe. Nesses locais os neurônios, trocam informações entre si e os sinais elétricos passam  a ser químicos, tudo  isso mediado por neurotransmissores; tais quais serotonina e dopamina. A classe de medicamentos antidepressivos  atuam nesse trânsito de neurotransmissores permitindo  um melhor controle das vias.


Alguns efeitos dos antidepressivos são:

  •  Analgésico: Os antidepressivos mais tradicionais agem no núcleo da rafe, uma estrutura que se localiza no tronco cerebral . É dessa estrutura que partem os neurônios responsáveis pela serotonina, esse neurotransmissor tem ação sobre a percepção e o humor, permitindo uma sensação de bem estar e o efeito analgésico.
  • No bom humor: Antidepressivos como a amitriptilina inibem a recaptação da serotonina no hipocampo, essa estrutura cerebral mantém algumas funções como controlar a memória e o humor. Tem -se então o efeito do aumento na transmissão de serotonina atenuando o mal humor.
  • Prolongando o sexo: Os antidepressivos aumentam a recaptação da dopamina no sistema límbico, área responsável  pro instintos e funções vitais, contudo, em pessoas que não apresentem quadro de depressão ocorre redução da libido. Tais usuários precisam precisam de mais  estímulo sexual para conseguir um orgasmo, prolongando o ato sexual e aliviando a ejaculação precoce. Um dos remédios mais empregados nesse caso é o Tofranil.
        Os antidepressivos tornaram a depressão problema de saúde possível de se tratar clinicamente. No inicio de sua utilização esses medicamentos eram de dois tipos basicamente: ADTs ( antidepressivos tricíclicos) e os inibidores da monoaminoxidases ( IMAOs ). Atualmente as novas gerações dessas drogas se constituem de medicamentos que agem em apenas um neurotransmissor, como os de inibição seletiva da recaptação de serotonina, ou aqueles que agem em mais de um receptor, no entanto mesmo agindo em mais de um receptor, sua ação é mais especifica uma vez que agem apenas em receptores e neurotransmissores relacionados a depressão.
Classificação dos antidepressivos:

  • IMAOs ( Inibidores da monoaminoxidase)
       O mecanismo por meio do qual agem o IMAOs não é claro. O que se sabe é que a enzima monoaminoxidase está com suas atividades inibidas.
     Os dois subtipos de MAO A e B , cujos os envolvimentos se dão respectivamente no metabolismo de serotonina e feniletilamina. A redução nas atividades da MAO acabam por resultar em aumento na concentração desses neurotransmissores nos locais de armazenamento no SNC ( sistema nervoso central ), esse aumento na disponibilidade dos neurotransmissores é que se tem atribuído o efeito antidepressivo dos IMAOs.
       Por se tratarem de uma classe de medicamentos não muito seletiva eles acabam por subsensibilizar alguns receptores adrenérgicos e de serotonina. Atualmente se tem inibidores mais seletivos dessa classe de medicamentos.

  • ADTs ( Antidepressivos tricíclicos)
          Os antidepressivos tricíclicos atuam no nível pré-sinaptico é o bloqueio de recaptura de monoaminas principalmente norepinefrina e serotonina e ainda em alguma pequena medida de dopamina. Nessa classe não se tem uma grande seletividade ao bloquear a recaptura pré- sináptica. A atividade no neurônio pós sináptico varia de acordo com o neurotransmissor escolhido e é isso que se pode chamar de responsável pelos efeitos colaterais. Os receptores bloqueados por esses medicamentos são os muscarínicos (colinérgicos), histaminérgicos de tipo 1, adrenérgicos, e mais  raramente os dopaminérgicos.
Essas ações não estão relacionadas necessariamente com o efeito antidepressivo, mas sim aos efeitos colaterais.O bloquear dos receptores de serotonina é o responsável pelo efeito terapêutico.
      O que se sabe atualmente é que a ação dos ADTs promove uma grande melhora na eficiência  de transmissão monoaminérgica além dos sistemas noradrenérgicos e serotoninégicos por meio da elevação na concentração sináptica  de serotonina e norepinefrina devido ao bloqueio da recaptura . Conjuntamente a isso os ADTs dessensibilizam os receptores de serotonina entre outros. Espero que tenham gostado!
 Bibliografia:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Antidepressivo_tric%C3%ADclico

 http://super.abril.com.br/saude/manipulacao-bioquimica



Nenhum comentário:

Postar um comentário